conecte-se conosco


REPÚBLICA

A pedido do Senado, governo desiste de PEC Emergencial para focar no Pacto Federativo

Publicados

em


.
PEC Emergencial deixou de ser prioridade para o Senado, que quer focar na proposta que reformula o Pacto Federativo.| Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Atendendo a um pedido do Senado, o governo vai desistir da PEC Emergencial, que prevê o acionamento de vários gatilhos para contenção de despesas obrigatórias quando as contas públicas saírem do controle. A ideia é focar os esforços na aprovação da PEC do Pacto Federativo, a proposta de emenda à Constituição que também propõe o acionamento desses gatilhos e aborda diversos outros temas. A PEC do Pacto Federativo será ainda reformulada para ser aprovada mais facilmente pelo Congresso.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, foi quem articulou o acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes. A informação foi publicada primeiro pelo jornal Valor Econômico e confirmada pela própria senadora à Gazeta do Povo. Ambas as propostas tramitam no Senado.

Na última quinta-feira (1º), em entrevista coletiva sobre projeções fiscais, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, confirmou a reformulação das PECs, já que elas foram pensadas no segundo semestre do ano passado, muito antes da pandemia.

Reformulação visa dar celeridade à tramitação

O objetivo da reformulação é dar celeridade à tramitação do chamado Plano Mais Brasil. O governo, por meio do líder e senador Fernando Bezerra (MDB-PE), apresentou três PECs em novembro do ano passado: a Emergencial, a do Pacto Federativo e a PEC dos Fundos Públicos. Em linhas gerais, os textos flexibilizam o Orçamento e redesenham a distribuição de recursos para estados e municípios.

Com exceção da PEC dos Fundos, as propostas pouco avançaram nos poucos meses de tramitação que tiveram. Em março, o Congresso paralisou as atividades presenciais devido à pandemia do novo coronavírus e passou a apreciar somente matérias relacionadas direta ou indiretamente ao vírus.

A intenção do governo é retomar a tramitação dessas PECs no segundo semestre. Para isso, a equipe econômica topou abandonar a PEC Emergencial e focar seus esforços na PEC do Pacto Federativo, que ainda precisa de relatório e aprovação na CCJ.

PEC Emergencial perdeu sentido no pós-pandemia

A PEC Emergencial é uma versão mais enxuta da PEC do Pacto Federativo. Ela cria o Estado de Emergência Fiscal sempre que as contas da União, estados e/ou municípios saiam do controle. Com isso, os entes podem adotar medidas de contenção de despesas obrigatórias, como cortar a jornada e o salário dos servidores em 25%, vedar reajustes e promoções e proibir concursos públicos.

Esses mesmos itens estão na PEC do Pacto Federativo. A ideia do governo no ano passado foi desmembrar essa parte em uma PEC em separado – a Emergencial – na esperança que ela fosse aprovada rapidamente e o governo pudesse se utilizar dos gatilhos ainda em 2020 para conter gastos. A PEC do Pacto Federativo é mais complexa e já era esperado que ela levasse mais tempo de discussão, por isso o desmembramento.

Só que a PEC Emergencial não foi aprovada rapidamente e a avaliação dos senadores é que ela perdeu o sentido para o período pós-pandemia. Para eles, faz mais sentido concentrar os esforços na PEC do Pacto Federativo, que já contém esses gatilhos e diversos outros temas.

O secretário Waldery Rodrigues acrescentou, ainda, que parte da PEC Emergencial já foi abarcada com a aprovação da Lei Complementar nº 173 (LC 173), de auxílio financeiro para Estados e municípios. Essa lei congelou o salário de todo o funcionalismo até o fim de 2021, fazendo com que a PEC Emergencial perdesse ainda mais sentido.

Texto do Pacto Federativo deve ser ajustado

Os senadores favoráveis à agenda econômica também pediram à equipe do ministro Paulo Guedes para deixar o texto do Pacto Federativo mais enxuto, pois assim será mais fácil aprovar a proposta até o fim do ano.

As mudanças serão feitas através do relator, o senador Márcio Bittar (MDB-AC). O secretário Waldery Rodrigues não quis adiantar como será essa reformulação, mas disse que aspectos importantes, como a criação do Conselho Fiscal da República e o papel do Tribunal de Contas da União (TCU) como referência para os Tribunais de Contas dos Estados (TCEs) e a proibição de a União de dar socorro financeiro a Estados a partir de 2026 continuarão no texto, entre outros.

Na época da apresentação da medida, um dos pontos que mais causaram polêmica foi a proposta de extinção de municípios com menos de 5 mil habitantes e arrecadação própria inferior a 10% da receita total. Pelo texto do governo, esses municípios vão ser incorporados à cidade vizinha. O texto também estabelecia restrição para criação de novos municípios.

PEC dos Fundos

A PEC dos Fundos Públicos deve ser votada na volta dos trabalhos presenciais do Senado. Essa é a expectativa do governo e dos senadores alinhados com a agenda econômica de Guedes. O texto já foi aprovado na CCJ e está pronto para ser apreciado em plenário.

O governo apoia ainda um projeto em tramitação na Câmara dos Deputados, de autoria do deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE). O texto antecipa o debate sobre os fundos ao propor a desvinculação de 29 fundos públicos infraconstitucionais e liberar o saldo financeiro (R$ 177,7 bilhões) para o governo usar no enfrentamento da pandemia e de seus efeitos sociais e econômicos.

A equipe econômica vê o texto de Benevides como um ponto de partida e um facilitador para uma futura aprovação da PEC dos Fundos, que é mais complexa. O regime de urgência para o projeto de Benevides já foi aprovado e o texto está pronto para ser pautado para votação em plenário

+ na Gazeta

Receba nossas notícias

Receba nossas notíciasno celular

As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Siga o Feed RSS

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA