ENTRETENIMENTO

Acusado de homofobia, Mauricio Souza faz empresários da moda entrarem em pânico

Publicados

em


source
Mauricio Souza com a camisa do Brasil durante partida de vôlei
Reprodução/Instagram

Mauricio Souza com a camisa do Brasil durante partida de vôlei


Desempregado,  Mauricio Souza tem provocado pânico entre os empresários do ramo da moda: todos estão com medo de terem suas marcas associadas à imagem do jogador de vôlei, acusado de homofobia e que tem publicado vídeos no Instagram com discursos que fogem das filosofias de suas empresas.

A coluna soube que os assessores e empresários ficaram desesperados com a possibilidade do público associar a imagem de Mauricio com as marcas de roupas que ele veste nos vídeos polêmicos que vem compartilhando.


Para evitar qualquer tipo de ação de boicote, as assessorias estão armadas até os dentes com comunicados prontos e campanhas de gestão de crise. Por sorte, nada de ruim ocorreu até o momento.

Mas a coluna tomou conhecimento que os assessores dessas marcas passaram a trocar informações até mesmo para desenvolverem campanhas conjuntas e se unirem numa possível crise de suas imagens. Estamos falando de marcas grandes, dessas que estão anualmente nas passarelas da São Paulo Fashion Week.

Leia Também:  "Em três meses, volto às minhas atividades", revela André Bankoff após cirurgia

Leia Também

Mauricio Souza foi demitido do Minas Tênis Clube após fazer uma publicação criticando a publicação de uma HQ em que Superman se assumiria bissexual. O teor da mensagem foi interpretado como homofóbico e as empresas que patrocinavam o time pressionaram para que o jogador fosse demitido.

Atualmente, Mauricio está desempregado e vem usando seu tempo livre para fazer campanhas ao lado de Jair Bolsonaro.

Inimigo da Globo

Demitido nesta semana do Minas Tênis Clube, o jogador Maurício Souza decidiu processar a Globo, Felipe Andreoli e Walter Casagrande após ser chamado de homofóbico em rede nacional. Ele acusa a emissora e os apresentadores de calúnia, difamação e injúria, e ainda pedirá indenização por danos morais.

“Maurício está com a consciência tranquila, seguro e confiante, mas se sentindo injustiçado por ser um cidadão sem histórico de homofobia e está pensando somente na reestruturação de sua carreira”, disse o advogado Newton Dias à coluna. “As pessoas que o acusaram não queriam justiça, queriam vingança. A vingança é um prazer momentâneo, mas um arrependimento eterno.”

Leia Também:  EUA: julgamento de jovem branco acusado de matar duas pessoas em protesto começa
Fonte: IG GENTE

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA