MANCHETE 2

Advogado divulga suposto áudio em que empresária nega agressão e pede gravação de sexo; ouça

Publicados

em

 

.

Em um áudio atribuído à empresária e digital influencer Mariana Vidotto, ela admite que não foi agredida pelo advogado Cleverson Contó. A suposta confissão se deu durante mensagens por aplicativo trocadas entre os dois.

Durante alguns trechos, ele pergunta “você acha isso justo?”, ao que ela responde. “É óbvio que as pessoas estão me perguntando: ele te bateu? Ele fez alguma coisa? Não. Ele já te deu um soco? Não. Ele já ‘não sei o que’? Não. Você não fez isso comigo”, diz trecho do áudio.

Contó diz que o áudio reforça seu posicionamento de que tem sido vítima de uma campanha difamatória de duas ex-namoradas. Segundo ele, elas querem afetar sua imagem e obter indenizações moral, cíveis e punições penais contra ele. Segundo ele, “as relações foram realmente tóxicas”.

Durante a conversa, o advogado afirma que era a influencer quem pedia para gravar os dois durante as relações sexuais. A interlocutora concorda que era ela quem pedia.

MEDIDA PROTETIVA ME PROTEGE

O advogado Cleverson Contó também comentou sobre a medida protetiva expedida nesta quinta-feira (18) pelo juiz da Vara de Violência Doméstica e Familiar de Cuiabá, Jamilson Haddad Campos, para que ele se mantenha ao menos 500 metros de distância de Mariana Vidotto.

“A medida me protege, já que desde o início deste caso, quem está indo atrás de cooptar mulheres, funcionárias e produzir provas falsas, forjar supostas vítimas e denúncias mentirosas, e me condenar sem que essas provas de fato existam – é a própria Mariana. Com a impossibilidade dela de se aproximar de mim, sinto-me mais tranquilo e seguro. Espero que ela respeite esta decisão judicial e a outra que a proíbe de campanha difamatória”, afirmou.

À DISPOSIÇÃO DA JUSTIÇA

Cleverson Contó disse ainda que tem se colocado à disposição da Justiça para esclarecer todos os fatos. Ele falou que já esteve na Delegacia da Mulher voluntariamente e protocolizou uma certidão de presença. “É nítida a ausência de provas do outro lado e a armação para promover uma campanha difamatória. Os áudios trazem ela falando claramente que não houve agressão ou nada neste sentido”.

Como ainda não foi notificado oficialmente sobre a medida protetiva expedida nesta quinta-feira (18), Cleverson falou que irá procurar voluntariamente o Judiciário para que seja intimado o mais rápido possível. “Interessa a mim contribuir com a justiça e o esclarecimento desses fatos ”.

Fonte: Folha Max

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA