MUNDO

Apreensões de cocaína desde 2018 no porto de Paranaguá ultrapassam 30 toneladas; parte da droga pode ter sido movimentada a mando de Major Carvalho, diz PF

Publicados

em

 

1 de 2
Parte de de cocaína movimentada no Porto de Paranaguá pode ter sido a mando do major Carvalho — Foto: Divulgação/Receita Federal

Parte de de cocaína movimentada no Porto de Paranaguá pode ter sido a mando do major Carvalho — Foto: Divulgação/Receita Federal

Investigações da Polícia Federal (PF) apontam que o porto de Paranaguá, no litoral do Paraná, é um dos principais usados por uma organização criminosa internacional. A suspeita é que o grupo seja comandado por Sérgio Roberto de Carvalho, ex-major da Polícia Militar (PM) do Mato Grosso do Sul, preso na Hungria, na terça-feira (21) sob a acusação de tráfico de drogas.

O investigado é natural de Ibiporã, no norte do Paraná, e é conhecido como o “Pablo Escobar brasileiro”.

De acordo com a Receita Federal, do início de 2018 ao fim de maio deste ano, mais de 31 toneladas de cocaína foram apreendidas no porto de Paranaguá. As investigações da PF indicam que a maior parte das remessas pertencia à organização criminosa.

 

 

Traficante internacional de drogas é preso na Europa

Traficante internacional de drogas é preso na Europa

De acordo com a PF, o esquema envolvia envio de drogas de várias formas, até mesmo em máquinas. Em uma delas estavam 900 quilos de cocaína que iriam para a Holanda.

Leia Também:  Rússia x Ucrânia: reunião com Putin é 'improvável', diz Zelensky

A Polícia Federal identificou pelo menos 70 remessas de cocaína feitas para Europa, África e Ásia. Portos como os de Paranaguá, no litoral do Paraná, e Natal, no Rio Grande do Sorte, eram usados pela quadrilha do ex-policial militar suspeito para envio de drogas para o exterior.

Conforme a PF de Curitiba, o órgão pedirá pela extradição do ex-major para o Brasil e, por isso, os detalhes burocráticos estão sendo acertados. Outros países da Europa, onde o traficante é investigado, também têm interesse nessa extradição, mas as autoridades brasileiras querem que ele responsa pelos crimes no país dele.

“A ideia é fazer o mais rápido possível. Até porque, a gente não sabe qual será o critério utilizado pelas autoridades húngaras para escolher o país para o qual ele será extraditado”, disse o delegado da PF Sergio Stinglin.

2 de 2
Sérgio Roberto de Carvalho é natural de Ibiporã, no norte do Paraná — Foto: Reprodução/Fantástico

Sérgio Roberto de Carvalho é natural de Ibiporã, no norte do Paraná — Foto: Reprodução/Fantástico

Segundo a polícia, mesmo com a prisão do ex-policial, o tráfico de drogas no porto de Paranaguá não deve acabar, pois a quadrilha é muito organizada e deve manter as operações, e porque há uma grande demanda por cocaína nos países europeus.

Leia Também:  China pede negociação entre Rússia e Ucrânia; Israel tenta mediação

A Polícia Federal disse que continua investigando a organização.

Investigado

Sergio Roberto de Carvalho foi preso em uma operação da Interpol na Hungria. Antes, tinha morado na Espanha e em Portugal com diferentes identificações.

Ele tem 64 anos e nasceu em Ibiporã, em 1958. A família se mudou para Mato Grosso do Sul quando ele era adolescente. Depois, entrou na PM sul mato-grossense onde trabalhou por 16 anos e se aposentou como major.

Além do tráfico de drogas, o ex-major também foi investigado por envolvimento com máquinas caça- niqueis e cassinos clandestinos.

Durante a pandemia, conforme as investigações, ele chegou a forjar a a própria morte por Covid para tentar escapar da Justiça. Usou um atestado de óbito falso em nome de Paul Walker, mas foi descoberto.

 

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA