POLÍCIA

Baleada pelo ex, jovem “ressuscita” após morte cerebral ser constatada

Publicados

em

Por Karina Cabral/O Livre

Os aparelhos que mantinham Karina viva estavam prestes a serem desligados. Foi quando seu pai fez uma oração

Elias era amigo do casal de longa data e sabia da separação, que já durava um mês. Mas aceitou a visita do amigo sem saber que sua casa, no Bairro Santa Mônica, em Nova Xavantina (650 km de Cuiabá), seria o palco de uma tragédia.

O encontro levou a uma briga do casal e ao menos cinco tiros foram disparados: três em Karina, um no chão e um de Baltazar em si mesmo.

Mas o que seria mais um caso de feminicídio – dentro dos índices já alarmantes de Mato Grosso – se transformou em uma história de recomeço.

De uma forma inexplicável, após ter a morte cerebral declarada, Karina reagiu exatamente no momento em que os aparelhos que a mantinham viva seriam desligadas.

A discussão

Elias estava fechando sua loja, quando recebeu a ligação de Baltazar. Karina já estava na casa do amigo, que fica próxima a uma praia de água doce da cidade.

Na praia há um restaurante, e quando Baltazar chegou Elias pediu que o dono do estabelecimento, que estava próximo à sua casa, servisse uma cerveja. O amigo bebeu duas garrafas pequenas.

Leia Também:  Dono de mercado promete separação para estuprar menina de 13 anos em MT

“E ele [Baltazar] estava insistindo para ela [Karina] voltar com ele. E ela falou que não, que já tinha quatro anos que estava com ele e ele nunca quis assumi-la. Então, agora ela queria mudar de vida, queria outras opções”, contou Elias ao LIVRE.

Segundo o amigo e o pai de Karina, o pedreiro José Rocha Cardoso, 56 anos, apesar de o relacionamento ter durado mais de quatro anos, Baltazar nunca quis assumir Karina como esposa.

Ela, inclusive, já estava com outra pessoa, fato que o ex não aceitava.

A discussão entre eles, durante o encontro, ainda agravou com pedidos mútuos de devoluções de presentes que eles haviam se dado quando ainda estavam juntos.

“Ela estava com uma corrente de ouro no pescoço, que ele tinha dado para ela. Ele falou: ‘então, me devolve minha corrente’”, lembrou Elias, dizendo que, em resposta, a jovem pediu uma pulseira que ele usava.

Mas a conversa não tinha tom amigável. Terminou com Baltazar arrebentando o presente que havia ganhado em um de seus aniversários e ambos devolvendo os presentes.

Leia Também:  Em ação rápida, Polícia Civil recupera motocicleta furtada em Barra do Garças

Os disparos

A caminhonete de Baltazar estava encostada do lado de fora da casa e, em determinado momento da discussão, ele foi em direção ao carro.

“Eu achei que a intenção era guardar a corrente, mas ele já pegou a arma. Estava a mais ou menos um metro dela, apontou para a cabeça e puxou o dedo. Deu três disparos”, contou Elias, que assistiu toda a cena.

A mãe dos filhos de Elias, Cleudileni Ferreira dos Santos, 29 anos, que também estava na casa, reagiu imediatamente. Pulou em Baltazar para impedi-lo de continuar a atirar em Karina.

Foi quando um dos tiros, então, atingiu o chão.

Ele não desistiu. Se desvencilhou de Cleudileni, colocou a arma em seu próprio ouvido e atirou. Baltazar morreu na hora.

Karina estava sentada e até conseguiu se levantar e andar um pouco antes de cair na porta da cozinha. Ela foi socorrida com vida.

“Nós vimos toda a cena. Foi coisa de cinco, seis segundos”, contou Elias.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA