MUNDO

Barista demitida por se recusar a usar camiseta do orgulho LGBTI processa Starbucks

Publicados

em


Imagem ilustrativa (Reprodução/Pixabay)

Uma ex-barista da rede de cafeterias Starbucks, que trabalhava em uma loja do grupo em Nova Jersey, nos Estados Unidos, abriu processo contra a empresa nesta quinta-feira (19) alegando que foi demitida injustamente por ter se recusado a usar uma camiseta que celebrava o “orgulho LGBTI”.

Betsy Fresse disse que vestir a blusa representaria um conflito com suas crenças religiosas, vez que ela afirma acreditar na definição bíblica de casamento: uma união entre um homem e uma mulher. Assim, sua demissão seria um ato de discriminação religiosa ilegal segundo a legislação federal que regula os direitos civis. Ela foi desligada da empresa em agosto de 2019 por supostamente violar os “valores fundamentais” da Starbucks.

À imprensa, um porta-voz da empresa disse que a acusação de Betsy não procede. “A Starbucks visa criar um ambiente caloroso e acolhedor para parceiros [funcionários] e clientes. Além de nosso avental verde, nenhuma parte do nosso código de vestimenta exige que os parceiros usem itens aprovados que eles não tenham selecionado pessoalmente”, informou.

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA