ECONOMIA

Butantan divulga maior eficácia geral da CoronaVac com intervalo acima de 21 dias

Publicados

em


Coronavac, vacina produzida em parceria com a China
A CoronaVac é a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e pelo Instituto Butantan (Divulgação)

SÃO PAULO – O Instituto Butantan divulgou no último domingo (11) um novo estudo em que revela maior eficácia geral da vacina CoronaVac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac e produzida no Brasil pelo instituto.

Segundo dados do Butantan, a eficácia mínima da vacina é de 50,7%, diminuindo pela metade o risco de infecção por Covid-19 em quem recebeu doses. O número aumenta para 62,3% quando se aplica a segunda dose pelo menos 21 dias depois da primeira.

O estudo foi encaminhado para revisão e publicação na revista científica Lancet. De acordo com a pesquisa, a vacina também diminui em pelo menos 83,7% o número de casos que necessitam de cuidados médicos e internação.

As 10 melhores corretoras do Brasil para investir em açõesAs 10 melhores corretoras do Brasil para investir em ações

Curso gratuito: Pamela Semezzato explica como conseguiu extrair da Bolsa em um mês o que ganhava em um ano em seu antigo empregoCurso gratuito: Pamela Semezzato explica como conseguiu extrair da Bolsa em um mês o que ganhava em um ano em seu antigo emprego

Fliper disponibiliza consolidador de informes de rendimentos e facilita declaração do IRFliper disponibiliza consolidador de informes de rendimentos e facilita declaração do IR

Leia Também:  Após arroz e leite, banana dispara e 'preço de banana' não é mais para todos

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma vacina considerada eficaz é aquela que consegue proteger o paciente de todos os casos em pelo menos 50% das vezes. Em estudos preliminares, a CoronaVac aparecia no limiar, com 50,38% de eficácia, que aumentou para 50,7% neste novo estudo.

O Butantan também revelou que a eficácia mínima já é atingida uma semana após receber a primeira dose. O estudo contou com mais de 12 mil participantes entre 21 de julho e 16 de dezembro.

China quer “misturar vacinas”

Os novos números de eficácia geral, no entanto, não agradaram Gao Fu, diretor do Centro de Prevenção e Controle de Doenças da China. Segundo a autoridade, o governo chinês estuda misturar a aplicação de diferentes vacinas para garantir maior imunidade.

“Dar às pessoas doses de diferentes vacinas é uma maneira de melhorar vacinas que não tem altos níveis de proteção,” disse em coletiva realizada no último sábado (10). “Inoculação usando vacinas de linhas diferentes está sendo considerado.”

Leia Também:  Controladora Geral do Município participa de curso oferecido pelo CONACI em parceria com a CGU

Segundo a Reuters, existe uma frustração entre autoridades chinesas a respeito do menor grau de proteção que as vacinas locais dão em comparação a outras vacinas estrangeiras, como a da farmacêutica Moderna (Estados Unidos) e a dos laboratórios Pfizer/BioNTech (Estados Unidos/Alemanha).

No domingo, Gao Fu deu entrevista ao Global Times negando que estava sugerindo que vacinas criadas na China seriam menos eficazes.

PUBLICIDADE

Além da Sinovac, a chinesa Sinopharm também desenvolveu vacinas contra a Covid-19. Segundo testes internos, a eficácia de suas vacinas varia entre 72,5% e 79,4%, mas ainda não existem estudos publicados a respeito.

Quer entender o que é o mercado financeiro e como ele funciona? Assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA