MULHER

Caledonia desembarca em Pinheiros

Publicados

em

Whisky é protagonista de novo bar em Pinheiros, com 160 rótulos para provar ou adquirir, além de coquetéis inéditos. Casa promoverá degustações, mentorings, aulas e eventos e oferecerá clássicos da cozinha britânica

Rodolfo Bob (bartender), Guilherme Valle (sócio), Maurício Porto (sócio)

Caledonia, a antiga Escócia para os romanos – que aliás, não conseguiram invadir essa região! – dá nome a um novo templo para explorar o whisky e seu universo, aberto no dia 9 de janeiro, no número 309 da Rua Vupabussu, Pinheiros.  Empreendimento de Mauricio Porto e Guilherme Valle, criadores do blog sobre whisky, O Cão Engarrafado, tem pegadamoderna, e é inspirado em bares estrangeiros especializados em whisky, como o Flatiron Room de Nova Iorque e o Black Rock Bar de Londres.

Ocupa uma casa dos anos 50, e traz algumas referências clássicas inspiradas em destilarias escocesas, como uma parede branca de tijolos, bem característica das produtoras de whisky da região de Islay. Apesar disso, é um bar moderno, com um quê de arquitetura norueguesa, madeiras claras e muito tons em branco – projeto de Acayaba e Rosenberg. “Enxergamos o Caledonia como um projeto mais amplo do que um bar, na verdade, um espaço de cultura do whisky. Ele permite que o cliente possa realmente entender, adquirir conhecimento e experimentar a bebida. Ao provar a dose, se gostar, terá a possibilidade de comprar a garrafa com um desconto ou outro tipo de incentivo que iremos oferecer”, comenta Mauricio.

Outro aspecto interessante será o incentivo à experimentação para que consumidores entendam o que é whisky e testem o máximo de possibilidades possíveis. “No Brasil se tem o hábito de incentivar a venda pelo volume, através da comercialização de garrafas inteiras de whiskies baratos. Não é o que queremos. Nossa ideia é oferecer doses menores para que a pessoa possa experimentar mais de um tipo de whisky sem comprometer muito o seu orçamento, e talvez descobrir algo novo que gosta. Além disso, o cliente também poderá saciar a curiosidade e provar algum rótulo raro, com alto valor agregado, sem precisar se comprometer com a compra de uma garrafa inteira. A venda por doses tornará esses whiskies mais acessíveis”, diz.

 

Oferta generosa: 160 rótulos, para começar…

A oferta será vasta, com todos os whiskies à venda no Brasil disponíveis, dos mais acessíveis aos mais caros. Clássicos muito baratos, como o Teacher, por exemplo, ou um Macallan Reflexion, whisky de aproximadamente dez mil reais a garrafa, poderão ser degustados em dose. Uma parceria com a Single Malt Brasil – loja de whisky carioca que faz pequenas importações de produtos muito específicos e sofisticados, como Arran – um single malt escocês – permitirá que o Caledonia ofereça também uma boa gama de whiskies exclusivos, servindo como uma espécie de embaixada para essas marcas.

Leia Também:  FIEVER lança campanha ao lado do MOOC

O cliente poderá provar Bourbons, Rye, Irish whiskeys, Blends e Single Malts em uma oferta inicial que gira em  torno de 160 rótulos, com potencial para crescer muito mais. Os uísques virão acompanhados de um cartãozinho com notas de degustação e informações técnicas para que ele possa escolher o que mais combina com seu perfil sensorial – se defumados ou florais, com influência vínica e assim por diante. Esse cartão permitirá a compra da garrafa com desconto, se o cliente desejar.

Flights (réguas de degustação) 

A casa promoverá degustações – “flights” compostas de três uísques, todos com curadoria, baseados em análise sensorial – defumados, frutados, florais, oleosos, etc –  e também oferecerá opções mais descontraídas como “Os preferidos do Guilherme” ou “Monte o seu flight”. A ideia é que, quando o cliente pedir o flight, o bartender possa orientá-lo a montar a régua, iniciando pelo uísque mais delicado e evoluindo para os mais intensos.  “Mas é importante dizer que não queremos catequizar ninguém, o cliente pode beber o whisky como quiser, ou seja, com gelo, puro, em coquetéis, da forma que mais lhe agrada”, comenta Guilherme.

 

Muito além dos whiskies

Além da carta de whiskies, o Caledonia terá três bicos de cervejas (beer on tap), uma delas – stout –  e envelhecida em barril de whisky da fabricante Dádiva, será exclusiva do Bar.

A caprichada carta de coquetéis, por sua vez, ficou a cargo de Rodolfo Bob, ganhador do Patron Perfectionists, em 2018.  Professor de coquetelaria, Bob tem um site chamado Bar Virtual que produz conteúdo para bartenders e para o mundo da hospitalidade em geral.

Muitos dos clássicos coquetéis a base de whisky, inclusive alguns um tanto obscuros farão a alegria dos amantes da boa mixologia – do pouco mencionado Blackthorne ao super conhecido Old Fashioned, passando por clássicos antigos e modernos, como Penicillin e New York Sour. A ideia é mostrar a versatilidade do whisky para a coquetelaria, por isso foi tomado o cuidado de que todas as classes da bebida estivessem representadas na carta.

Leia Também:  Rainha de Bateria da Rosas de Ouros, Ana Beatriz Godoi mostra maquiagem para a avenida

Além dos clássicos, o Caledonia terá uma parte dedicada aos drinques autorais que tende a ser cíclica e renovada de tempos em tempos. “Pretendemos estrear esta seção com coquetéis que contam a história do whisky. Começaremos pela península ibérica, subindo pela Irlanda – período em que os monges destilavam a bebida nos monastérios – passando pela época em que houve a dissuasão dos monastérios, e os monges migraram para Escócia, e assim por diante”, conta Guilherme. Cada momento desses será representado por um coquetel.

Além dos coquetéis à base de whisky a casa servirá outros clássicos incontornáveis, como como Dry Martini e o popular G&T. Além disso, o bar contará com uma linha de drinks no estilo High Ball.

 

Os “comes” 

A cozinha tem sotaque britânico, com alguns pratos reproduzidos ao pé da letra, como a Cullen Skink, sopa típica da Escócia feita basicamente de haddock defumado, batata, cebola e leite. Ou o Fish and Chips com uma versão que utiliza maionese de wasabi, adaptação do horseradish dos judeus e dos japoneses.

Vale destacar o Scotch Egg, que ficou conhecido aqui no Brasil como Bolovo. Criado na Escócia, encontrou seu coração e essência na cozinha de boteco da baixa gastronomia, mas originalmente, é um prato inglês composto por um ovo empanado com carne de javali.  Através do Bolovo, o Caledonia presta, portanto, sua homenagem à gastronomia britânica.

A ideia é que seja uma cozinha fácil e descomplicada. O salmão estará presente em sanduiches, salada e bruschetas. Entre as opções há também o célebre sanduiche de pepino – clássico inglês – hambúrgueres, e sobremesas – todas com algum twist de whisky.

Nas futuras atividades estão previstas as “Aulas do Cão” sobre determinados temas relacionados ao universo do whisky, além de aulas com convidados, incluindo mentorings, entre outros. A idéia é ceder também o espaço para que marcas realizem seus eventos, com a oferta de toda a infraestrutura do bar.

 

[+] Serviço:

Caledonia Whisky & Co.

Endereço: Rua Vupabussu, 309, Pinheiros;

Funcionamento: Bar: de terça a sábado, das 18h00 às 24h00. Domingo e Segunda-feira, fechado;

Capacidade máxima: 70 pessoas

Ticket médio: entre R$ 70 e R$ 150,00

Valet:  R$ 25,00 wifi, ar condicionado e acesso para deficientes

Telefone: 3031.0840

Instagram: @caledoniawhiskyco

 

Por Fofuxa

Assessoria: Lucia Paes de Barros Assessoria de Comunicação

 

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA