MUNDO

Cinzas de neonazista são enterradas em túmulo de judeu na Alemanha

Publicados

em


source
Cinzas de neonazista são enterradas em túmulo de judeu na Alemanha
RechercheNetzwerk.Berlin

Cinzas de neonazista são enterradas em túmulo de judeu na Alemanha

As cinzas de um ativista  neonazista alemão foram enterradas na última sexta-feira em frente ao túmulo de um músico judeu em um cemitério nos arredores de Berlim. Após o episódio provocar indignação, a administração do da igreja do local reconheceu que foi um “erro terrível” permitir o sepultamento de um proeminente negador do Holocausto.

Henry Hafenmayer, de 48 anos, foi sepultado no cemitério Stahnsdorf South-Western, em Brandenburg, em uma cerimônia que contou com a presença de notórios extremistas de direita, segundo o jornal The Guardian. Fotos do enterro mostram que a urna que contém suas cinzas foi colocada diante da lápide de Max Friedländer, um cantor nascido na Prússia e estudioso da música que morreu de derrame cerebral em Berlim, em 1934.

Durante o sepultamento, a lápide de Friedländer foi coberta com um pano preto e uma placa com o nome de Hafenmayer, além de uma citação bíblica: “E sabereis a verdade e a verdade vos libertará.”

Leia Também:  Líder da Igreja Católica na Alemanha pede demissão por 'catástrofe dos abusos sexuais'

Antes de sua morte em agosto, Hafenmayer ganhou o status de martír nos círculos extremistas de direita alemães depois de ser condenado à prisão por uma série de cartas antissemitas a instituições públicas que descreveram o Holocausto como uma “mentira”.

Leia Também

A administração do cemitério disse que rejeitou um pedido inicial do advogado do neonazista para um funeral mais central, por medo de que o cemitério de Stahnsdorf South-Western pudesse se tornar um ponto de encontro para extremistas de direita.

Um pedido de acompanhamento para enterrar Hafenmayer no local da antiga sepultura de Friedländer foi concedido com base no princípio de que todo ser humano tem “o direito a um local de descanso final”, segundo a administração. O registro do cemitério listava o músico e acadêmico como sendo um protestante na época de sua morte.

A igreja admitiu que havia julgado mal a situação e disse que estava planejando mover a urna contendo as cinzas do neonazista para outro lote. Uma queixa criminal foi apresentada nesta terça-feira no departamento de Justiça.

Fonte: IG Mundo

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA