PANCHO VILLA

Cliente é constrangida e ameaçada após restaurante cobrar conta duplicada

Publicados

em

Uma servidora pública passou por uma situação constrangedora na noite da última sexta-feira (07), no restaurante Pancho Villa, no bairro Jardim Cuiabá, na Capital.

De acordo com a mulher, garçons, gerente e proprietário do estabelecimento teriam gritado com ela e uma amiga. Além disso, eles teriam ameaçado as duas após entregarem uma conta no valor errado, com R$ 480 a mais.

A mulher relatou que foi ao aniversário de um amigo de infância no local. Alguns convidados deixaram o local às 22h. O aniversariante saiu por volta das 23h, deixando apenas ela e a amiga na mesa.

Antes de ir embora, ele deixou os comprovantes do pagamento da conta e a informou que seria cobrado apenas o que ela consumisse dali para frente.

Por volta de 23h45, o gerente, de forma grosseira, começou abordar os clientes dizendo que a casa encerraria o atendimento 00h.

Diante disso, as amigas pediram a conta. Dois garçons foram até a mesa, um com uma máquina de cartão e outro com a conta no valor de R$ 551 mais os 10% do serviço.

A servidora informou que o valor estava errado e os funcionários não aceitaram revisar. Ela mostrou os comprovantes do pagamento feito pelo amigo e os colaboradores se negaram a acreditar na mulher.

Em seguida, ela solicitou que fosse chamado o gerente. O funcionário, segundo ela, a tratou com desdém e disse “se os seus amigos te deixaram aí sozinha o problema é seu, mas alguém tem que pagar essa conta”.

Leia Também:  Professor morre após tomar suco envenenado

“Eu não estou me negando a pagar a conta, o que estou dizendo é que essa conta está errada, vocês não deram baixas nos acertos. Eu só não quero pagar o que já foi pago”, rebateu a servidora.

Os dois começaram a discutir e a cliente ligou para seu amigo aniversariante para que voltasse ao local. Na sequência, o proprietário foi até a mesa e começou a gritar com ela e com a amiga.

“Olha minha filha, eu não tenho culpa se a sua turma foi embora e te largou aí. Nós não temos individualização de conta por mesa, você vai ter que pagar o que consumiu ou isso vai ter que se resolver de outra forma”, ameaçou.

“Você deixa seu CPF e seu nome que eu vou encaminhar para o jurídico”, continuou.

A servidora mais uma vez tentou explicar que não estava se negando a pagar, mas a conta estava errada. “Eu não estou me negando a pagar a conta, o que estou dizendo é que essa conta está errada, vocês não deram baixas nos acertos. Eu só não quero pagar o que já foi pago”, rebateu a servidora.

Leia Também:  Mauro Mendes também é desafiado por Bolsonaro a zerar imposto de combustível

“Eu não sou caloteira. Não sai da minha casa para dar golpe em restaurante, eu só quero pagar o que eu consumi”, disse a servidora ao empresário.

Em seguida, o proprietário chamou o garçom e questionou sobre a situação da mesa e afirmou que alguém ia pagar, se não fossem as clientes, seria ele.

A mulher disse que não seguiria com a discussão e que não teria problema em resolver a situação em uma Delegacia de Polícia. O dono deixou a mesa, logo após o gerente questionou como iriam resolver. A vítima disse que já havia ligado para o amigo e que fariam um confronto de contas.

Momentos depois, o garçom retornou com uma nova conta com os pagamentos dados baixas, no valor de R$ 153, no entanto, continuava errada. Foi cobrado um prato e duas bebidas a mais.

Por fim, o gerente voltou pedindo desculpas e dizendo que a mulher pagasse o valor que ela quisesse. A consumidora disse que não queria um favor, que não pagaria nem a mais, nem a menos, que pagaria o que consumiu.

Foi aí que a conta correta no valor de R$71,17 foi apresentada. O amigo da servidora chegou e o gerente explicou toda a confusão.

Nas contas é possível ver o horário dos pagamentos feitos pelo aniversariante e os familiares.

Com Repórter MT

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA