MUNDO

Como ‘flutuação suja’ ajuda Peru a manter moeda estável e segurar inflação

Publicados

em

 

1 de 3
Sol, moeda peruana, é uma das mais estáveis ​​da América Latina; ação do banco central do país é decisiva para isso — Foto: Getty Images via BBC

Sol, moeda peruana, é uma das mais estáveis ​​da América Latina; ação do banco central do país é decisiva para isso — Foto: Getty Images via BBC

O Peru representa um raro exemplo de estabilidade econômica na América Latina.

Muitos especialistas até falam de um “milagre econômico peruano” devido ao crescimento sustentado do país nas últimas décadas, apenas interrompido pela pandemia de covid-19.

Embora em amplos setores haja descontentamento com a manutenção das desigualdades, os números macroeconômicos da história recente do Peru são citados como exemplo de sucesso mundo afora.

Uma razão, segundo os especialistas, é a estabilidade da moeda peruana, o sol.

Waldo Mendoza, economista da Pontifícia Universidade Católica do Peru e ex-ministro da Economia do Peru, disse à BBC News Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC, que “se observarmos o comportamento do câmbio na América Latina, o do Peru é o menos volátil”.

Em outras palavras, a moeda peruana é a que menos vê seu valor flutuar em relação à moeda de referência, o dólar americano, e não apresenta tendência a desvalorizações acentuadas em momentos econômicos adversos típicos de outras economias da região.

Neste ano, o comportamento dessa divisa até agora parece embasar a afirmação de Mendoza.

Segundo o ranking de moedas elaborado pela agência Bloomberg, o sol é a segunda moeda latino-americana que teve melhor desempenho em relação ao dólar em 2022, superada apenas pelo peso uruguaio.

A estabilidade no preço de sua moeda é alcançada graças a uma estratégia do Banco Central do Peru (BCRP) conhecida como “flutuação suja”.

Como funciona a “flutuação suja”?

O valor do dólar medido em unidades da moeda local (taxa de câmbio) é um aspecto fundamental na economia, especialmente para países como a América Latina, em que a moeda americana desempenha um papel-chave e é utilizada amplamente.

2 de 3
Ao contrário de outras moedas latino-americanas, preço do sol não sofre grandes variações — Foto: Getty Images via BBC

Ao contrário de outras moedas latino-americanas, preço do sol não sofre grandes variações — Foto: Getty Images via BBC

Em economia, distinguem-se três modelos principais de regime cambial.

Com a taxa de câmbio fixa, o preço da moeda estrangeira permanece constante ao longo do tempo, mas isso requer uma intervenção permanente do banco central no mercado, comprando ou vendendo dólares conforme necessário para regular a oferta e a demanda e, assim, manter a taxa de câmbio no nível desejado.

Poucos lugares aplicam esse modelo. Um caso típico é o do território autônomo chinês de Hong Kong. Na América Latina, a Bolívia ainda o mantém e ele vigorou na Venezuela chavista por anos.

No modelo de câmbio flutuante, a taxa de câmbio flutua livremente, sem intervenção do Banco Central. É o seguido pelos países europeus que compartilham o euro, ou na América Latina, por exemplo, pelo Chile. Isso pode levar a grandes flutuações influenciadas pela situação atual ou fatores econômicos externos.

Por fim, há o modelo de taxa de câmbio flutuante suja que o Peru segue, em que a taxa de câmbio também oscila, mas de forma muito limitada. A “flutuação suja” também é adotada pelo Banco Central do Brasil (Bacen).

Por que se chama “flutuação suja”?

Devido a uma intervenção também limitada do banco central no mercado. Nas palavras de Mendoza, “o banco central luta contra a corrente no mercado de câmbio. Ele tende a comprar dólares quando a taxa de câmbio cai e tende a vender quando a taxa de câmbio sobe”. Dessa forma, é possível manter seu preço relativamente estável.

Leia Também:  'Queremos que a reação seja mais forte', diz representante da embaixada da Ucrânia sobre posicionamento do Brasil

É um modelo comum em economias emergentes, onde as autoridades o utilizam para proteger suas moedas de grandes flutuações indesejadas.

Algumas das maiores economias de “flutuação suja” incluem, além do Brasil, Índia, Cingapura, Turquia e Indonésia. Nos dois últimos, os bancos centrais intervieram em 2014 e 2015 para apoiar suas respectivas moedas locais.

No Peru, esse modelo tem sido o adotado pelo Banco Central do Peru (BCRP) e os especialistas concordam que ele pode explicar a estabilidade monetária do país dos últimos anos, contrastando notavelmente com o que aconteceu em outros momentos da história, como a hiperinflação do final da década de 1980, que ainda traz lembranças amargas para muitos peruanos.

Quando a “flutuação suja” começou no Peru e como tem sido usada até agora?

O Banco Central do Peru começou a intervir no mercado de câmbio durante a política de estabilização econômica da década de 1990, quando o governo de Alberto Fujimori (1990-2000) realizou uma agressiva reforma econômica liberal.

Quando Fujimori chegou ao poder em 1990, os peruanos viviam sob a hiperinflação herdada do primeiro governo de Alan García (1985-1990), que devorou o poder de compra e a credibilidade da moeda peruana da época, o inti. Em 1991, foi criada uma nova moeda nacional, o novo sol, e estabilizar seu valor tornou-se uma prioridade para o novo governo.

No início, foi implementado um modelo de câmbio fixo, que acabou relaxado. Adotou-se, então, o modelo de taxa de câmbio de flutuação suja, que se mantém até hoje e tem ajudado o sol a enfrentar algumas das turbulências financeiras dos últimos anos.

Nos primeiros anos, foram utilizadas intervenções limitadas e esporádicas, mas a partir de 2002, quando o BCRP adotou sua política de metas de inflação, com o objetivo oficial declarado de manter os níveis de aumento de preços entre 1% e 3%, a flutuação suja acabou implementada.

Os sucessivos presidentes do Banco Central peruano permaneceram fiéis a esse sistema, a ponto de, segundo Mendoza, “não haver nenhum banco central que intervenha mais no mercado de câmbio do que o peruano”.

Segundo seu relatório anual, o BCRP interveio em 82% dos dias de 2021 e até agora, em 2022, vendeu US$ 1,8 bilhão em moeda estrangeira para manter o câmbio estável.

Mas o peruano tem algumas particularidades em relação à “flutuação suja” de outros países.

Diego Macera, especialista do Instituto Peruano de Economia e membro do conselho do BCRP, diz à BBC News Mundo que “a diferença mais importante com outros sistemas é que o Peru não tem regras fixas antes da intervenção”. “Nos outros países, foi possível conhecer com mais clareza o momento e a magnitude da intervenção do banco central, o que possibilita a manipulação do sistema. O BCRP tem mais discricionariedade, o que lhe permite ser mais eficaz na redução da volatilidade.”

Como o Banco Central do Peru não anuncia com antecedência quando vai intervir no mercado, nem com que intensidade, a incerteza desencoraja os especuladores interessados em “apostar contra” a moeda nacional com manobras de curto prazo.

Foi o que aconteceu com a libra esterlina quando em 1992 um ataque especulativo do financista George Soros acabou forçando sua exclusão do Mecanismo Europeu de Taxas de Câmbio (MTC), sistema acordado pelos países que acabaram adotando o euro antes de sua entrada em vigor.

Macera aponta outras vantagens do modelo aplicado no Peru: “Ele é menos vinculante que o sistema de câmbio fixo, o que pode acarretar um risco maior de esgotamento rápido de reservas e especulação em relação à nossa moeda”.

Leia Também:  Suspeito de feminicídio no Paraguai sofre acidente de carro ao fugir

O BCRP também é muito ativo na compra de dólares em momentos favoráveis para manter seus níveis de reservas e sua capacidade de intervir em momentos adversos, considerando o peso das exportações minerais na economia peruana.

“Quando o preço dos minerais sobe, o valor do dólar tende a cair e é aí que o BCRP compra dólares”, explica Mendoza. “Nos bons tempos, acaba acumulando muito e isso permitiu-lhe ser um dos bancos centrais com mais reservas internacionais.”

O BCRP tem US$ 76,1 bilhões em reservas internacionais, o que significa 30,5% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços) do Peru. O Chile, por exemplo, apesar de ter um PIB maior, tem aproximadamente US$ 30 bilhões a menos em reservas internacionais. Já as reservas internacionais do Brasil totalizavam, em dezembro de 2021, US$ 362,20 bilhões.

Macera explica que a elevada disponibilidade de reservas é fundamental para o sucesso da “flutuação suja”.

“A credibilidade da intervenção do BCRP no mercado é particularmente importante, e é alcançada com um bom histórico da instituição e com um nível de internacionalização de reservas significativo”, explica.

Foi isso que permitiu ao banco agir com vigor, como em 2009, quando o Peru foi abalado pelas consequências da crise financeira global, ou, mais recentemente, pela fuga de capitais após a chegada à presidência de Pedro Castillo, em julho de 2021.

Ameaça da inflação

Mas a taxa de câmbio não é a única variável, nem mantê-la estável basta para solucionar todos os problemas da economia. A peruana tem alguns atualmente.

3 de 3
Hiperinflação durante governo de Alan García devorou poder aquisitivo dos peruanos — Foto: Getty Images via BBC

Hiperinflação durante governo de Alan García devorou poder aquisitivo dos peruanos — Foto: Getty Images via BBC

O Banco Central recentemente baixou suas expectativas de crescimento para o Peru para este ano de 3,4% para 3,1%. Especialistas concordam que se trata de uma taxa muito baixa para uma economia emergente e que, a esse ritmo, o país terá dificuldade em criar empregos em volumes significativos.

Tampouco uma taxa de câmbio estável é suficiente para corrigir os efeitos da queda na produção mineral, item fundamental para o Peru, devido aos conflitos que paralisaram algumas das principais minas do país.

Depois, há o grande problema dos dias atuais, a inflação, em alta desde a invasão da Ucrânia pela Rússia. O Peru tampouco está imune a isso. A previsão é de que a inflação peruana feche o ano em 6,4% — a previsão anterior era de 3,5%.

E o BCRP não espera que a inflação volte aos níveis normais até pelo menos o final de 2023.

“Grande parte disso se deve ao preço do trigo, petróleo e outros produtos importados que representam entre 30% e 50% da cesta básica local e que seguirão dinâmicas próprias associadas à guerra”, diz Mendoza.

O BCRP está tentando conter essa escalada de preços, como outros bancos centrais, principalmente com o aumento nas taxas de juros, o que indiretamente também ajuda a limitar uma possível desvalorização do câmbio.

Mas, como alerta Mendoza, “isso está esfriando a economia e terá custos, porque é a inflação mais alta em muito tempo”.

‘Este texto foi originalmente publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-61945230’

 

 

Inflação global: os efeitos da alta de preços pelo mundo

Inflação global: os efeitos da alta de preços pelo mundo

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA