conecte-se conosco


REPÚBLICA

Congresso quer discutir outros temas além da Covid e eleições: saiba o que pode ser votado

Publicados

em


.
Na sessão da Câmara em 1.º de julho, vários deputados circularam pelo plenário sem máscara: indicativo de que Congresso quer volta ao “normal”.| Foto: Agência Câmara

A Câmara dos Deputados aprovou no último dia 23 um projeto de lei que reformula o Código de Trânsito. E, na votação que a Casa fez sobre o adiamento das eleições, na quarta-feira (1), muitos parlamentares circulavam pelo plenário sem máscaras de proteção facial. Esses dois fatos mostram uma espécie de tentativa de retorno à normalidade, que pode ser uma marca do Congresso Nacional neste segundo semestre.

Após uma primeira metade do ano praticamente voltada à pandemia do coronavírus, outros temas começam a reaparecer nos debates e nas propostas de deputados e senadores.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), falou nos últimos dias que pretende conduzir ainda em 2020 a tramitação dos projetos da reforma tributária e da prisão dos condenados após a segunda instância.

Tanto no Senado quanto na Câmara, houve ainda a aprovação recente da proposta de combate às fake news e do marco legal do saneamento. As duas Casas do Congresso aguardam ainda que o governo envie sua proposta de reforma administrativa, esperada desde o ano passado.

Mas é mesmo possível falar em normalidade no Congresso?

Apesar das expectativas, porém, é difícil imaginar que a covid-19 saia do radar dos parlamentares. A pandemia não deu mostras de recuo no Brasil. O número de mortes no país superou a casa dos 60 mil no dia 1.º.

“A covid ainda está galvanizando todas as nossas atenções. Enquanto não houver um arrefecimento, a curva dos números vai continuar sendo a nossa preocupação número 1”, afirma o senador Marcelo Castro (MDB-PI). O deputado Eros Biondini (Pros-MG) endossa: “Não podemos deixar de acompanhar os dados da pandemia. É o maior problema que o Brasil enfrenta. E afeta também a economia e outras áreas”.

“A pandemia prossegue com muito peso em nossos trabalhos. E ninguém sabe ainda como será o andamento da Câmara, o funcionamento das comissões”, reforça a deputada Adriana Ventura (Novo-SP).

Grande parte dos projetos que estiveram recentemente em discussão nas duas Casas tiveram alguma conexão com a covid-19. Foi o caso do adiamento das eleições e da Lei Aldir Blanc, que determinou a concessão de benefícios a artistas que deixaram de trabalhar durante a pandemia. Há outras propostas em tramitação que enfocam o direito do consumidor em tempos de coronavírus, como proibições a aumento de preço e a inclusão de inadimplentes em cadastros.

E tem as eleições…

A aprovação, pelo Congresso, da nova data para as eleições de 2020 não indica que o tema deixará de figurar na lista de prioridades de deputados e senadores. Habitualmente, as disputas municipais influenciam o cotidiano do Congresso Nacional. E, em 2020, mesmo que o pleito tenha um perfil diferenciado por causa da pandemia, o envolvimento entre parlamentares e eleição deve prosseguir.

Muitos deputados são pré-candidatos a prefeito em seus municípios – como Joice Hasselmann (PSL), em São Paulo; Daniel Coelho (Cidadania), no Recife; Otoni de Paula (PSC), no Rio de Janeiro; e Áurea Carolina (Psol), em Belo Horizonte, entre outros.

Mesmo os que não são candidatos, porém, se relacionam com a disputa. “É um ano eleitoral, e o político vive da política. Vai ser uma campanha diferente, mas ele não vai poder deixar de coordenar, de telefonar, de mandar mensagem, de se envolver”, afirma o senador Marcelo Castro.

Um pouco de produtividade é possível no Congresso

Todo o contexto, porém, não faz com que os parlamentares acreditem que a produtividade “extra-covid” do Congresso será nula.

O senador Marcelo Castro acredita que a reforma tributária poderá avançar no parlamento. “É algo imprescindível para o Brasil. E já está discutida, debatida há muito tempo. Há duas PECs tramitando, uma na Câmara e uma no Senado, e ambas têm pontos muito convergentes. Não é um assunto muito difícil de se chegar em um entendimento.”

Também no campo das finanças, a deputada Adriana Ventura diz que o Congresso terá que discutir uma adequação fiscal, resposta às despesas criadas para o enfrentamento da pandemia. “Isso precisa ser um tema do segundo semestre. Não é algo que pode ficar para o ano que vem. Com o auxílio emergencial, as despesas podem chegar a R$ 800 bilhões. Precisamos equacionar isso”, diz.

Outros temas sem relação com o coronavírus que deverão ser abordados pelo Congresso neste segundo semestre são:

  • Fundeb: o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) será extinto ao fim do ano se uma nova legislação não for aprovada. A continuidade do fundo é uma rara unanimidade no Congresso; o modo para executar isso, porém, ainda motiva divergências. Uma proposta relatada pela deputada Dorinha Seabra (DEM-TO), que determina à União o custeio de 20% do valor total do fundo, é a que encontra mais simpatia entre os congressistas.
  • Prisão em segunda instância: o debate que ficou aberto após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixar a prisão em novembro do ano passado ainda não foi concluído pelo Congresso. Projetos na Câmara e no Senado abordam o tema. Uma proposta que modifica o conceito de trânsito em julgado – permitindo, então, a prisão dos condenados após a segunda instância – está em fase avançada na Câmara e pode ser votada no mês que vem.
  • Reforma administrativa: embora o governo não tenha enviado sua proposta (e pode ser que não o faça neste ano), a Câmara debate o assunto, e pode apresentar proposições ligadas ao tema.
  • Pacto federativo: a retomada dos trabalhos do Congresso deverá permitir aos parlamentares voltar a falar sobre a chamada PEC do Pacto Federativo, enviada pelo governo ao parlamento no fim do ano passado e que pouco progrediu desde então. Um dos pontos controversos da iniciativa do projeto do ministro Paulo Guedes, a extinção de municípios com menos de 5 mil habitantes, deve ser excluída do projeto.

+ na Gazeta

Receba nossas notícias

Receba nossas notíciasno celular

As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Siga o Feed RSS

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA