MANCHETE

Dois deputados de MT aparecem em lista de gastos suspeitos com combustíveis

Publicados

em

 

Dois deputados federais de Mato Grosso  e outros dois ex-integrantes da bancada federal mato-grossense estão na lista de parlamentares que apresentaram notas fiscais “suspeitas” por gastos com combustíveis reembolsados pela Câmara Federal. O relatório com nomes de José Medeiros (Podemos) e Juarez Costa (MDB), ambos detentores de mandato eletivo, foi produzido no bojo da Operação Tanque Furado, realizada pelo ONG Observatório Político Socioambiental (OPS). O levantamento mostrou mais de R$ 27 milhões gastos com combustíveis de janeiro de 2019 a dezembro de 2020.

Detalhes da compilação de informações, dados e notas fiscais disponibilizadas pelo instituto especializado em ações de combate à corrupção foram exibidos em reportagem do Fantástico no último domingo (18). Os ex-deputados de Mato Grosso que também figuram na lista de políticos que apresentaram notas suspeitas são Ságuas Moraes (PT) e Valtenir Pereira (MDB), que buscou a reeleição em 2018, mas só conseguiu ficar como suplente de deputado federal.

De acordo com a reportagem, Lúcio Big, fundador do Observatório Político Socioambiental – que em 2020 ganhou um prêmio internacional criado pela ONU de reconhecimento a ações de combate à corrupção – lidera um grupo com mais de 200 colaboradores de todos os estados do Brasil.  O instituto denuncia às autoridades gastos irregulares, e, desde 2013, já recuperou mais R$ 6 milhões para os cofres públicos.

Dos políticos de Mato Grosso citados no relatório, o campeão de gastos “suspeitos” com combustíveis e considerados fora da realidade, foi o deputado bolsonarista José Medeiros, do município de Rondonópolis (212 km de Cuiabá) ele apresentou seis notas fiscais entre fevereiro e abril de 2019, totalizando R$ 9,3 mil.

Juarez Costa, morador de Sinop (500 km de Cuiabá), onde já foi prefeito por dois mandatos, apresentou uma única nota fiscal apontada pela ONG como “suspeita”, no valor de R$ 1,6 mil e data de 30 de abril de 2020.

Por sua vez, o suplente Valtenir Pereira foi citado por causa de uma nota fiscal no valor de R$ 2,5 mil, relativa a um abastecimento de combustível realizado no dia 14 de janeiro de 2019. Já o ex-deputado Ságuas Moraes tem em seu nome uma nota de abastecimento no valor de R$ 1,1 mil, com a data de 22 de janeiro de 2019, período em que ele não era mais detentor de mandato eletivo, pois a legislatura da qual ele fazia parte se encerrou em 31 de dezembro de 2018.

O RELATÓRIO

Em seu site, o Instituto OPS informa que auditou 1.863 notas fiscais de abastecimento de veículos de deputados e assessores, entre os anos de 2019 e 2020, tendo encontrado abastecimentos incomuns. As auditorias apontam supostas irregularidades na prestação de contas com abastecimento de veículos de 104 parlamentares da Câmara dos Deputados.

“Centenas de abastecimentos em um só dia, enorme quantidade de litros de combustíveis em uma só ‘mangueirada’, abastecimento em favor de empresas e de pessoas estranhas aos gabinetes e até abastecimentos “sob medida” para cravar o limite mensal da cota”, diz trecho do texto publicado pelo Instituto com link para acesso detalhado ao relatório de 309 páginas.

Informa ainda que os casos foram encaminhados ao Ministério Público Federal, Tribunal de Contas da União e à Câmara dos Deputados para que as medidas necessárias sejam tomadas.

deputados combustiveis, tanque furado

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA