Geral

Elielson Cabelereiro que foi preso com droga e Salão Nina são denunciados ao Ministério Público por Golpe

Publicados

em

Entenda o caso!

Até falsificação de assinatura teria sido feita em cheque

Uma cliente cujas iniciais são L.D. teria ido até o salão Nina Cabelereiros para fazer para fazer seu cabelo. Lá estando, L.D. teria sido atendida pelo cabelereiro Elielson Gonçalves, profissional que teria sido preso no passado por drogas em seu apartamento. Conversa vai conversa e conversa vem o salão através do cabelereiro Elielson liberou que fosse feito o cabelo de L.D. mediante cheque caução para pagamento posterior.

Tudo combinado foi realizado os cuidados nos cabelos de L.D. pois teria sido deixado no Salão Nina um cheque caução de uma terceira pessoa um médico.

Passados alguns dias as funcionárias do salão começaram a cobrar pelos serviços feitos nos cabelos de L.D., já o cabelereiro Elielson fazia ameaças que iria descontar o cheque deixado como caução.

Sem entender os motivos daquela pressão com cobranças desenfreadas e cheias de ameaças sem justificativa os serviços feitos no cabelos de L.D, foram logo pagos na integralidade mediante depósito bancário.

No mesmo interim um fato assombrou L.D. sendo que um valor desproporcional, uma vez que o cobrado foi de R$ 1.290,00(hum mil duzentos e noventa reais). (comprovante em anexo).

Novamente, passados alguns dias o cheque caução teria sido solicitado de volta junto ao salão já que teria ocorrido o pagamento integral do débito cobrado.

Após a solicitação de devolução dos cheques caução o cabelereiro do Salão Sr. Elielson ex-presídiário, ao qual antes efetuava as cobranças passou a dar respostas vagas e não respondia com firmeza apenas esquivava da situação que era proceder a devolução do cheque dado como garantia.

Ao aprofundar-se quanto o ocorrido deste fatos por estar L.D. desconfiada que algo estava errado, ao entrar em contato com A.A.(fornecedor do cheque caução), viram que ambos tinham caído num golpe dentro do salão Nina Cabelereiros, golpe descrito abaixo:

1 – O valor doS serviços no salão totalizaram R$ 600.00(seiscentos reais), L.D. havia sido enganada com os valores que foram cobrados mais que o dobro R$ 1.290,00(mi duzentos e noventa reais);

Leia Também:  Equipamentos agrícolas oriundos de estelionato cometido em Água Boa são recuperados em Barra do Garças

2- Para receber a desviar esse dinheiro uma funcionária do salão enviava mensagem fingindo pressionar o Elielson a pagar o débito.(fato armado)

3-As mensagens de cobranças eram feitas em nome do Sr. Eduardo proprietário do Salão(um dos áudios em anexo);

4- Sob pressão forçaram que o depósito fosse feito na conta do Elielson mentindo que Elielson que teria que pagar com seu cartão o próprio salão porque o proprietário Eduardo estaria cobrando.

5- Apesar de L.D. ter sido enganada no valor do salão em mais de R$ 600,00(seiscentos reais) o cheque de caução(nominal a terceiro) no valor de R$ 4.900,00(quatro mil e novecentos reais) teve no seu verso a assinatura falsificada e fora descontado no Banco.

6- Com a assinatura falsificada no verso do cheque o banco devolveu o mesmo por fraude, impedindo sua compensação.

7- Com a devolução do cheque Elielson dirigiu-se até A.A., pessoa da qual emitiu o cheque que foi usado como caução no salão por L.D. e lá estando cobrou A.A. sem ressalvar que o salão já havia sido pago em dobro pois L.D. já havia sido golpeada onde Elielson mentiu, omitiu e enganou A.A. sobre todos os fatos dizendo que A.A. deveria pagar o cheque.

8- A.A. sem entender o que teria ocorrido não sabendo que o cheque teria voltado por fraude na falsificação da assinatura no verso de terceira pessoas de imediato emitiu outro cheque no mesmo valor e autorizou o banco a pagar mediante saque na boca do caixa.

9- Elielson as pressas sabendo que o esquema do golpe poderia cair caso as pessoas se conversassem entre sí (L.D. A.A. e C.R.), tratou de correr no banco para sacar o cheque e sacou.

10- Passado algunas dias L.D. liga para C.R. e C.R. liga para A.A. quando então descobrem todo o golpe aplicado no salão.

11- O corte, escova e outros serviços que tinha como média o valor de R$ 600,00 foi pago mais que o dobro R$ 1.290,00(comprovante em anexo).

12- O cheque caução de R$ 4.900,00, teve assinatura falsificada no verso;

13- O golpe aplicado no Salão Nina através do Elielson em L.D. e A.A. totaliza R$ 4. 900,00 + R$ 1.290,00(R$ 6.190,00).

Leia Também:  Decreto do governador provoca aglomeração nos supermercados

14 – Em contato A.A. o mesmo disse que vai tomar as medidas criminais, cíveis e administrativas pelo enorme estelionato sofrido com ocorrência de falsificação de assinatura e fraude, “medidas estão sendo tomadas contra o salão”, seus proprietários, Eduardo e Camila além de todos os envolvidos até mesma as funcionárias que faziam a cobrança forçada em nome do Sr. Eduardo.

15 – L.D. que foi cobrada em dobro sequer recebeu sua nota fiscal e disse que vai denunciar o salão por sonegação de impostos cobrança indevida de valores crime contra consumidor.

16- Eduardo proprietário do salão além de não resolver e providenciar a devolução dos valores falou que A.A. que apesar de ter sio literalmente roubado faz picaretagem, essa redação entende com absurdo esse fato, chamar a vítima que pagou o estelionato R$ 4.900,00 ainda ter que ser chamado de picareta, um médico.

17 – Outro fato que chama atenção é de que Eduardo além de dizer que as vítimas que foram golpeadas em seu salão fazem picaretagem ainda acobertou o ocorrido perante os funcionários, ninguém foi demitido e ainda se recusou a ressarcir os prejuízos causados pelo mesmos fato grave para uma empresa que causou prejuízo aos consumidores mesmo que por seus funcionários.

18 – A.A. em resposta disse que vai abrir ação criminal de calunia injuria por sido taxados de picaretagem.

Audio montado, armado pelos funcionários e funcionários do Salão para cobrar L.D. clica no Play e ouça

Eduardo e camila – Proprietários

Frente do salão na Av. Dom Bosco local do Golpe

Elielson Cabeleleiro

Documentos em anexo

  • Cheque com a assinatura Falsificadas no verso em anexo;
  • Declaração de que a assinatura é falsificada;
  • Extrato bancário constando fraude no cheque;
  • Comprovantes de pagamentos do cabelo de L.D. R$ (278,00 + 1012,00) – Total R$ 1.290,00
  • Print Whatzapp Elielson mentindo que não havia recebido um deposito que tinha sido feito em sua conta para pagamento do salão.

 

mICROFIMLAGEM – ELIESON SACOU CHEQUE DE A.A. QUE ERA SOMENTE CAUÇÃO DO CABELO DE l..D, POR ISSO NÃO DEVOLVIA O CHEQUE

 

Assinatura falsa no Verso do cheque

 

Declaração de Claudio assinatura falsificada.

 

Extrato bancário cheque devolvido por fraude

 

Depósitos de R$ 278,00 e R$ 1.012,00 total R$ 1.290,00 na conta de Elielson para pagamento do cabelo superfaturado de L.D.

 

Elielson Mentindo que não caiu depósito de R$ 278,00, parte dos R$ 1.290,00

 

Veja quando cabeleleiro foi preso, clique no link abaixo

https://www.midianews.com.br/judiciario/depois-de-7-meses-preso-cabeleireiro-ganha-a-liberdade/166999

Propaganda
1 comentário

1 comentário

  1. Sônia maria disse:

    Que coisa chinfrim !!! Baixaria deste jornaleco, quem se interessa por ex presidiário e salão decadente?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA