ECONOMIA

Em meio às discussões ambientais no Brasil, Nestlé plantará 1 milhão de árvores

Publicados

em


source

Brasil Econômico

A Mucilon Nestlé apresentou, nesta quinta-feira (1) um projeto de ações sustentáveis que será colocado em prática no Brasil. Durante coletiva de imprensa, a empresa divulgou que vai plantar um milhão de árvores na Mata Atlântica brasileira.

A área que será florestada pela Nestlé fica no Parque Nacional do Pau Brasil, em Porto Seguro (BA). A região é um “hotspot”, zona de biodiversidade que pode estar em perigo, segundo a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Essa ação vai florestar cerca de 1,2 mil hectares, o equivalente a 1.110 campos de futebol. Coordenado pelo engenheiro florestal do Grupo Ambiental Natureza Bela, Lucas Santos, o plantio engloba cerca de 40 espécies na Mata Atlântica brasileira. 

Além disso, Lucas ressalta a importância social do projeto num momento de altas taxas de desemprego. “Projetos como esse só fortalecem essa cadeia. Geração de renda, benefícios ambientais e, é claro, os benefícios sociais.”

Leia Também:  Reino Unido vai aceitar turistas de 50 países, mas não do Brasil e EUA

Inovações em reciclagem

Além do projeto de florestamento, a Nestlé anunciou também uma proposta de inovações na reciclagem das embalagens.

De acordo com a responsável de Marca Corporativa e Inovação Social da Mucilon, Bárbara Sapunar, os sachês plásticos passarão a ser feitos de monomaterial, um tipo de plástico que simplifica o processo de reciclagem, contribuindo para a cadeia produtiva.

Com o novo produto, a empresa estima que até o ano que vem sejam reduzidas 3,8 mil toneladas de plástico consumido.

A ideia é que, até 2050, a Nestlé consiga zerar o impacto de suas ações. Em 2025, a companhia almeja ter todas as suas embalagens sendo 100% recicláveis.

Pressão no governo

Recentes acontecimentos chamaram atenção por todo país relacionados ao meio ambiente. Em meio ao maior incêndio da história do Pantanal e problemas com o desmatamento na Amazônia, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) é alvo de pressão de empresas e investidores.

No mês de agosto, um grupo de 29 instituições financeiras de todo o mundo assinou uma carta para o governo brasileiro exigindo a redução do desmatamento na Amazônia. Na carta, o grupo ameaçou deixar de investir no país, caso o problema não fosse resolvido – o  governo anunciou devem ser cortados do MMA R$184,4 milhões em 2021. 

Leia Também:  Congresso analisa veto a regime provisório jurídico

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA