POLÍCIA

Esposa assume ter matado marido e alega ter agido por medo

Publicados

em

Presa desde agosto de 2021, por ter mandado matar o marido, o empresário Toni Flor, Ana Cláudia Flor confessa o crime e alega ter agido por medo, após sofrer inúmeras agressões por parte dele. A vítima foi executada a tiros no dia 11 de agosto de 2020, em frente a uma academia localizada no bairro Santa Marta, em Cuiabá.

Ana Flor concedeu entrevista ao Programa do Pop, da TV Cidade Verde, divulgada nesta terça-feira (02). Durante a entrevista, ela disse procurou por Igor Espinosa após a última agressão sofrida. Ana o contratou para executar o marido ao  preço de R$ 60 mil, sendo metade paga antes e o restante após o crime.

Sobre as motivações, a acusada destacou episódios nos quais a marido teria apresentado comportamento agressivos contra ela. “O motivo foi só medo mesmo. Como eu falei, lá no começo já foi difícil, eu casei com 18 anos, e o Tony sempre foi assim, explosivo e ciumento. Porque lá no comecinho, ele brigava com as outras pessoas, ai depois ele começou a bater em mim mesma”, disse.

A empresária relatou ainda que a última agressão e mais grave, o marido desferiu socos em seu rosto na frente de parentes e amigos, sem motivos aparentes. “Eu estava sentada com as mulheres, e ele com os homens. Ele simplesmente levantou e deu um soco na minha cara, na frente de todo mundo”, afirmou a detenta. A última agressão teria ocorrido poucos meses antes do assassinato de Tony.

Ana flor rechaçou a versão da polícia de que ela teria tido um envolvimento amoroso com Sandro Lúcio, apontado como um dos articuladores da execução do empresário e citou traições cometidas pelo marido. “Ele teve diversas, e nem fazia questão de esconder, todo mundo sabe disso, mãe dele sabe disso, todo mundo sabe. Em 2015 a gente se separou devido a uma das traições, e foi dentro da família. Ele me traiu com a esposa do primo dele, que era uma pessoa que a gente gostava muito. Eu gostava muito”.

Leia Também:  Quem são as cunhadas? Vídeos de esposas de presidiários viram febre

A respeito das filhas, a mulher disse que vem recebendo cartas enviadas pelas por elas, e que as menores sabem que ela mandou matar o pai, mas que ainda assim ela está sendo apoiada pelas crianças.

O CRIME

Toni foi assassinado a tiros quando chegava à academia, no bairro Santa Marta, em Cuiabá. O suspeito, que estava em frente ao estabelecimento, se aproximou e perguntou pelo nome de Tony. Confirmada a identidade, o alvejou com quatro tiros.

A vítima chegou a ser socorrida com vida e encaminhada para o Hospital Municipal de Cuiabá, porém, não resistiu aos ferimentos e morreu dois dias depois.

As investigações apontaram que a morte de Tony teria sido encomendada por sua esposa, que contratou três pessoas para planejar e cometer o assassinato. Igor Espindola teria sido o autor dos disparos. Após o crime, a arma foi jogada no Lago do Manso.

Igor foi o primeiro a ser preso e confessou que Ana Cláudia negociou o valor de R$ 20 mil para cada criminoso. Segundo ele, essa negociação foi feita durante uma vídeochamada.

Leia Também:  Homem é preso no interior pela Polícia Civil por abuso sexual contra a própria neta

As investigações apontaram ainda que o interesse na herança e a tentativa de esconder outro relacionamento podem ter motivado o crime. Em 2019, Ana registrou um boletim de ocorrência onde afirmou que foi agredida por Toni após ele flagrar uma conversa dela com outro homem pelo WhatsApp.

Fonte: Folha Max

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA