MUNDO

Estudante de escola bombardeada tem a maior nota do “Enem” do Afeganistão

Publicados

em


Homens descansam em mirante de Cabul, capital do Afeganistão.| Foto: AFP

A história da jovem Shamsea Alizada, hoje com 17 anos, é das mais inspiradoras. Há dois anos, um atentado atingiu o local onde ela estudava, em Cabul, e matou dezenas de colegas. Ela, que é filha de um mineiro, escapou por sorte. O episódio não foi suficiente para fazer a adolescente desistir dos estudos e, na última quinta-feira (24), foi anunciado que ela teve a nota mais alta entre aproximadamente 200 mil alunos que prestaram o exame nacional afegão de ingresso à universidade, similar ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) brasileiro.

Quem deu a boa notícia para Shamsea foi sua mãe, que soube da conquista da filha pela televisão. “Achei que ela estava brincando. Mas quando entrei na sala, vi o sorriso mais brilhante no rosto de minha mãe. Eu já tinha visto ela sorrindo, mas esse sorriso foi outra coisa. Seu sorriso foi um presente e fez meu dia; foi melhor do que obter a pontuação mais alta do país”, disse a menina, segundo o New York Times.

Em 2018, Shamsea frequentava uma espécie de cursinho pré-vestibular voltado a jovens carentes quando um homem-bomba invadiu uma sala de aula onde estavam mais de 200 alunos e detonou seu colete explosivo. Metade dos estudantes foram mortos ou feridos e a adolescente perdeu diversos amigos. O atentado foi reivindicado por uma ramificação do Estado Islâmico.

Se fosse um pouco mais velha, Shamsea talvez não tivesse a oportunidade que está tendo. Isso porque até o governo do Talibã ser destituído, em 2001, a educação de meninas era proibida no país e as mulheres precisavam ficar confinadas em casa. Atualmente, cerca de 100 mil mulheres estão matriculadas em cursos superiores no Afeganistão e mais de 3 milhões de meninas frequentam a escola.

Agora, o temor de jovens como Shamsea é que as negociações de paz entre o governo do país e o Talibã, consequência de acordo anterior firmado com os Estados Unidos, retrocedam as conquistas femininas no Afeganistão, vez que, até o momento, os negociadores que representam o movimento não deixaram claro seu exato posicionamento sobre a educação de mulheres. “Espero que ninguém mais morra no Afeganistão”, disse a jovem.

+ na Gazeta

Receba nossas notícias

Receba nossas notíciasno celular

As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Siga o Feed RSS

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA