MANCHETE

Ex-deputado não recorre e Justiça confirma bloqueio de R$ 12 mi por “mensalinho” na AL

Publicados

em

 

O ex-deputado estadual Mauro Savi perdeu o prazo recursal e a Justiça Estadual manteve o bloqueio de R$ 12,186 milhões nos bens do ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) por suposta participação em um esquema de desvio de dinheiro da Mesa Diretora e de pagamento de mensalinho aos deputados, entre os anos de 2003 a 2015. Ao G1, o ex-parlamentar foi procurado pela reportagem e disse que não quer se manifestar.

Na decisão, a juíza Celia Regina Vidotti, Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, destaca que o ex-parlamentar foi devidamente notificado, por carta e aviso de recebimento e que, mesmo assim, não apresentou contestação para a decisão que determinou o bloqueio.Entretanto, apesar de confirmar o bloqueio de bens, a juíza destacou que não há possibilidade de julgamento imediato da ação. Ela diz que não há irregularidades ou nulidades no processo.

Para decidir sobre o tema, a juíza pediu nessa quinta-feira (9) ao Ministério Público que apresente provas de que houve dano ao erário e o desvio de recursos públicos. “Como questão de fato a ser comprovada neste processo, tem­ se a existência de dano ao erário, consistente em desvio de recursos públicos, praticados pelos ex­-deputados que exerciam a direção da Mesa da Assembleia Legislativa de Mato Grosso; se o requerido se beneficiou dos referidos atos; e o montante exato do alegado benefício recebido pelo requerido Mauro Luiz Savi”, afirma.

Leia Também:  Municípios investiram mais recursos do que receberam no combate à pandemia em MT

A juíza destacou que como fato relevante de direito, está a comprovação ou não se as condutas de Savi configuraram ato de improbidade administrativa que causaram lesão ao erário. Destacou que o ônus da prova cabe ao Ministério Público.

Esse bloqueio foi feito no âmbito da Operação Bereré, deflagrada em 2018 pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). Na segunda fase da operação, foram presos Mauro Savi, ex-chefe da Casa Civil, Paulo César Zamar Taques, e mais quatro pessoas.

A operação investigou fraudes e desvio de verba do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), segundo o Ministério Público Estadual (MPE), em Cuiabá. O esquema fraudulento denunciado pelo irmão do ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa (PMDB), Antônio Barbosa, em delação já homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA