POLÍTICA MT

Grupo de ex-governador de MT lidera carta pela democracia

Publicados

em

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, que reúne diversas empresas ligadas ao agronegócio, lançou nesta 4ª feira (03.ago.2022) uma carta em defesa da democracia e do processo eleitoral, que classifica como “inquestionável”. Entre os integrantes do grupo estão Amaggi, BRF, Marfrig Global Foods e JBS, além da Abag (Associação Brasileira do Agronegócio).

Também fazem parte do grupo bancos, escritórios de advocacia, organizações do da sociedade civil e associações de diferentes setores. Bradesco, Santander, Itaú Unibanco, Natura, Nestlé, Suzano, Vale e Carrefour estão entre os integrantes da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura.

“E ressaltamos que o processo eleitoral é inquestionável e imprescindível para toda e qualquer discussão que vise à prosperidade do país”, diz a carta. “Sem democracia não há desenvolvimento e sustentabilidade. Sem sustentabilidade não há futuro possível.” Eis a íntegra do documento (127 KB).

Assim como na carta publicada pela Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo), o manifesto da Coalizão não cita o presidente Jair Bolsonaro (PL). No entanto, defende o processo eleitoral e o respeito ao resultado das eleições.

No documento, o grupo diz ainda que defende “eleições limpas” e o respeito às leis. “Nos últimos 37 anos, o Brasil dedicou-se a edificar um regime cidadão, de instituições sólidas e calcado no respeito à lei e no equilíbrio de direitos e deveres”, diz ainda.

Leia Também:  Deputado preside Comissão do Zoneamento e defende foco nas pessoas

“O futuro que queremos depende do diálogo entre divergentes e do respeito ao resultado das eleições. Este deve ser um ponto pacífico entre todos os atores que se dispõem a representar a sociedade brasileira à frente de um Estado democrático de Direito.”

O grupo é formado por 336 representantes de empresas, do agronegócio, setor financeiro, sociedade civil e academia

Eis algumas das empresas e entidades que fazem parte da Coalizão, autora da carta:

Abag (Associação Brasileira do Agronegócio);
Amaggi;
Banco Alfa;
Bayer;
Bradesco;
BRF;
BTG Pactual;
Carrefour;
Cascione Pulino Boulos Advogados;
CPFL Renováveis;
Danone;
Duratex;
Eldorado Brasil Celulose S/A;
Fazenda do Futuro;
Gerdau;
Grupo Boticário;
Grupo Mulheres do Brasil;
Itaú Unibanco;
JBS;
Kfuri Advogados;
Klabin;
Kaeté Investimentos;
Machado Meyer Advogados;
Marfrig Global Foods;
Mauá Capital;
Natura;
Nestlé;
Santander;
Suzano;
Transparência Internacional – Brasil;
UBS;
Unilever;
Vale;
Veracel.

Leia a lista completa de empresas que fazem parte do grupo aqui.

Segundo a Coalizão, o documento será enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal), ministérios, a integrantes do Congresso, embaixadas, bancos e instituições de desenvolvimento.

CARTA DA USP

A “Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito”, organizada pela Faculdade de Direito da USP, já reuniu mais de 700 mil assinaturas até às 14h10 desta 4ª feira (3.ago.2022).

Leia Também:  Estado paga R$ 675 mi para frear déficit

Algumas das pessoas que aderiram ao texto são: Armínio Fraga, expresidente do Banco Central; Eduardo Vassimon, presidente do Conselho de Administração da Votorantim; Guilherme Leal, co-presidente da Natura; Horácio Lafer Piva, acionista e integrante do Conselho de Administração da Klabin; Pedro Moreira Salles, co-presidente do Conselho de Administração do Itaú Unibanco; Roberto Setubal, co-presidente do Conselho de Administração do Itaú Unibanco; Walter Schalka, presidente da Suzano.

No total, 12 ex-ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) também assinaram o documento. O texto deve ser lido durante evento em 11 de agosto, no Pátio das Arcadas do largo de São Francisco.

O texto critica o que considera “ataques infundados e desacompanhados de provas” que questionam “o Estado Democrático de Direito” e a lisura do processo eleitoral.

“Assistimos recentemente a desvarios autoritários que puseram em risco a secular democracia norte-americana. Lá as tentativas de desestabilizar a democracia e a confiança do povo na lisura das eleições não tiveram êxito, aqui também não terão”, diz o documento.

Fonte: Folha Max

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA