POLÍTICA MT

Justiça autoriza Sesp usar avião de delator apreendido há 6 anos

Publicados

em

 

A juíza da 5ª Vara Cível de Cuiabá, Edleuza Zorgetti da Silva, determinou a intimação do Secretário de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), Alexandre Bustamante, para informá-lo de que, agora, é o “depositário fiel” de uma aeronave do ex-deputado estadual, José Riva. O bem foi apreendido na operação “Imperador”, em 2015, e chegou a ter autorização da Justiça no ano de 2017 para uso da própria Sesp-MT, porém, só agora o avião (prefixo PR-MSC), que estava em poder de uma empresa de táxi aéreo, vai para a posse e guarda do Poder Público.

A decisão da juíza é do último dia 27 de julho e foi tomada no âmbito de uma ação movida pelo proprietário de uma mansão em Cuiabá, que vendeu o bem a um comprador que além de não pagar o acordo, repassou a propriedade a Riva e ao também ex-parlamentar, Eliene Lima. Com a restrição da aeronave, já vinculada ao processo derivado da operação “Imperador”, o dono do imóvel acabou “abrindo mão” não só do bem, mas também de outros 4 lotes que pertenceriam a Riva.

Segundo informações do processo, o dono da mansão, porém, não desistiu de obter os valores relativos à venda de seu bem, ocorrida em 1994 – há mais de 27 anos. Ele solicitou a expedição de um ofício à 7ª Vara Criminal do Tribunal do Justiça (TJMT), onde tramita o processo relativo à operação “Imperador”, e que possui o rol de bens apreendidos nas diligências. A esposa do ex-parlamentar, Janete Riva, também poderá sofrer a busca de bens.

Leia Também:  Petrobras reduz preço da gasolina em 2% a partir de 3 de dezembro nas refinarias

Já Eliene Lima, por sua vez, possui dois imóveis rurais (um de 380 hectares, localizado em Chapada dos Guimarães, e outra em Cuiabá, de 7,56 hectares), vinculados ao processo movido pelo proprietário da mansão, que pede a realização de “alienação judicial” (venda) dos bens. A deliberação sobre ambos os pedidos – referentes a Eliene e Riva, quanto aos seus bens -, entretanto, só serão realizadas após a aeronave passar oficialmente à guarda e posse do Governo do Estado, por meio do secretário Alexandre Bustamante.

O avião prefixo PR-MSC teve uso autorizado à Sesp-MT pela juíza aposentada Selma Arruda, no ano de 2017.

IMPERADOR

O ex-deputado estadual José Riva é foi condenado a 26 anos de prisão por liderar um esquema de desvios de verbas da ALMT que, segundo o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), teria subtraído R$ 62 milhões dos cofres públicos do órgão com falsas aquisições envolvendo cinco empresas do ramo de papelaria, todas de “fachada”. Os crimes teriam ocorrido entre 2005 e 2009.

Segundo informações das investigações, somente no período de um ano, essas empresas venderam mais de 30 mil toners ao Poder Legislativo do Estado que, na época dos fatos, contava com apenas 150 impressoras de papel.

Leia Também:  Deputado prevê guerra judicial do VLT de 30 anos e faz apelo a Mendes e Pinheiro

Além do ex-deputado estadual, foram denunciados sua esposa, Janete Riva, e outras 23 pessoas entre físicas e jurídicas:  Sérgio Ricardo de Almeida, Edemar Nestor Adams, Edson José Menezes, Djalma Emernegildo, Manoel Teodoro dos Santos Filho, Djan da Luz Clivatti, Elias Abraão Nassarden Junior, Jean Carlos Leite Nassarden, Leonardo Maia Pinheiro, Clarice Pereira Leite, Elias Abraão Nassarden, Jeanny Laura Leite Nassarden, Celi Izabel de Jesus, Tarcila Maria Silva Guedes, Luzimar Ribeiro Borges, Fernando da Silva, e Ivonete de Oliveira.

As empresas Amplo Comercio de Serviços e Representações LTDA, Serpel Comercial de Alimentos LTDA-ME, Livropel Comércio e Representações e Serviços LTDA, Hexa Comércio e Serviços de Informática LTDA-ME, Real Comércio e Serviços LTDA-ME e Servag Comêrcio Representações e Serviços LTDA-ME também fariam parte do esquema.

Interceptações telefônicas autorizadas pela justiça apontaram que em torno de 80% dos recursos que teriam sido desviados foram sacados “na boca do caixa” e repassados ao ex-presidente da AL-MT, que foi denunciado por formação de quadrilha e enquadrado em 26 infrações previstas no peculato – crimes que envolvem subtração de recursos públicos para fins pessoais.

 

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA