conecte-se conosco


MUNDO

Maduro expulsa da Venezuela a embaixadora da União Europeia

Publicados

em


.
O ditador venezuelano Nicolás Maduro expulsou a embaixadora da União Europeia na Venezuela| Foto: Marcelo Garcia / Palácio de Miraflores / AFP

O regime do ditador venezuelano Nicolás Maduro expulsou do país nesta segunda-feira (29) a embaixadora da União Europeia, Isabel Brilhante Pedrosa, horas após o bloco emitir sanções contra o deputado Luis Parra e outros parlamentares chavistas.

A diplomata terá 72 horas para deixar a Venezuela. “Vamos emprestar um avião para ela partir”, disse Maduro.

“A Venezuela deve ser respeitada. Hoje, um grupo de oficiais da União Europeia se reuniu para analisar a situação da Venezuela, no maior estilo colonialista, intervencionista e supremacista”, disse o ditador em discurso na televisão estatal repercutido pela imprensa venezuelana. “A União Europeia continua tendo a atitude arrogante de acreditar que é superior a nós e de determinar quem se comporta bem e quem se comporta mal”, continuou.

Isabel Brilhante Pedrosa foi nomeada chefe da delegação da União Europeia na Venezuela em 2017, enquanto ocupava o cargo de cônsul-geral de Portugal em Caracas.

A União Europeia impôs sanções nesta segunda-feira contra 11 deputados da Assembleia Nacional que, sob ordens de Maduro, tentaram tomar o controle do parlamento em janeiro para retirar da presidência do órgão legislativo Juan Guaidó, que é reconhecido como presidente interino da Venezuela por dezenas de países.

“Os indivíduos adicionados à lista [de sanções] são responsáveis notadamente por agir contra a Assembleia Nacional, que funciona democraticamente, inclusive retirando a imunidade parlamentar de vários de seus membros, mesmo de seu presidente, Juan Guaidó. Ações que motivaram a decisão também incluem perseguições por motivos políticos e a criação de obstáculos para uma solução política e democrática para a crise na Venezuela, assim como graves violações a direitos humanos e restrições de liberdades fundamentais, como a liberdade de imprensa e de expressão”, afirma comunicado do Conselho Europeu.

Com essa medida, 36 funcionários chavistas estão sob sanções da União Europeia que incluem proibição de viagens e congelamento de ativos.

+ na Gazeta

Receba nossas notícias

Receba nossas notíciasno celular

As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Siga o Feed RSS

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA