POLÍTICA MT

Mauro garante estar “fechado com Bolsonaro” e defende voto impresso em 2022

Publicados

em

 

O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que é a favor do voto impresso e que “está fechado” com presidente Jair Bolsonaro (sem partido). As declarações foram dadas na noite desta quarta-feira (4), durante entrevista ao programa Estúdio ao Vivo (TV Cidade Verde).

Bolsonaro defende que, a partir da eleição presidencial de 2022, os números digitados por cada eleitor na urna eletrônica sejam impressos e que os papéis sejam depositados de forma automática numa urna de acrílico. A ideia é que, em caso de acusação de fraude no sistema eletrônico, os votos em papel possam ser apurados manualmente.

“Eu acho que nós temos que ter sim o voto impresso, primeiro, porque essa celeuma não é tão importante assim. Igual àquela história do cartão de crédito, se você passa cartão ali, você não quer ver o ticketizinho para ver se é aquilo mesmo? Claro que quer. Então, vou ver se o voto que eu digitei é aquilo mesmo. Tem coisa mais importante para discutir no Brasil, sou a favor do voto impresso e pronto. Vamos acabar logo com isso, estou fechado com Bolsonaro nisso”, disse o governador.

Leia Também:  Quatro juízes de MT disputam vaga no CNJ

O assunto veio a tona após questionamentos sobre o áudio da conversa de Mauro com os deputados Neri Geller (PP) e Dilmar Dal Bosco (DEM) que vazou na última semana. Na gravação, eles discutiram a popularidade do presidente e Dilmar menciona parte dos apoiadores como “os radicais do Bolsonaro”.

“O que foi falado não tem nada de anormal, é algo muito simples. Quantos por cento da população de Mato Grosso são muito apaixonados e radicais, seguidores do presidente. Hoje, no Brasil tem pessoas que são radicais de Esquerda, de Direita, de Centro. Acho que muitas das ideias que esses eleitores defendem, eu também defendo, que é o combate à corrupção. Mas, radicalismo demais não é bom para ninguém”, explicou Mendes.

“Eu ouvi um tempo atrás que se prendessem Lula o povo ia pra rua, ia fazer isso e que ia ser uma revolução. O Lula foi preso e nada aconteceu, então, o povo brasileiro é pacifico, tem suas convicções, são pessoas que acreditam muito naquilo que defendem. Mas, não acho que ninguém vai para um radicalismo de querer fazer uma ruptura institucional. Temos que nos respeitar e parar com um pouco de brigaiada, porque quem briga muito não tem tempo de trabalhar”, acrescentou.

Leia Também:  Cinco de MT votam por manter preso deputado que criticou ministros do STF

 

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA