ECONOMIA

Recusa do auxílio emergencial é maior entre jovens de 16 a 24 anos, diz pesquisa

Publicados

em

 

 

source
Gastos essenciais são prioridade de beneficiários do auxílio emergencial
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Gastos essenciais são prioridade de beneficiários do auxílio emergencial

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em parceria com a FSB, aponta que 30% dos brasileiros que tiveram o auxílio emergencial negado pelo Ministério da Cidadania são jovens entre 16 e 24 anos. O levantamento divulgado nesta sexta-feira (30) mostra que apenas 14% dos jovens receberam o benefício do governo federal.

Segundo a CNI, o depósito das parcelas foi recusado para 18% da população que solicitou o auxílio. Dos que receberam, 26% são mulheres e 15% homens.  O Nordeste é a região mais contemplada pelo programa.

Criado no começo de 2020 para diminuir os efeitos da pandemia de Covid-19 na economia do país, o auxílio emergencial está em sua quarta parcela da segunda fase da rodada de pagamentos. O benefício deve se manter até novembro, quando deve entrar em vigor o novo Bolsa Família.

Destino dos valores

De acordo com o levantamento, os beneficiários destinaram o valor das parcelas, em sua maioria, para gastos essenciais, como alimentação e despesas habitacionais. Já 1% dos entrevistados ouvidos pela CNI disseram que usam o benefício como reserva emergencial.

Cerca de 2 mil pessoas foram ouvidas pela confederação entre os dias 12 e 16 de julho, por telefone. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA