POLÍTICA MT

TRE autoriza vereador bolsonarista a trocar de partido em MT

Publicados

em

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/MT) reconheceu, por unanimidade, a existência de justa causa para a desfiliação do vereador Valerindo Martins Sampaio, o “Sargento Sampaio” (União Brasil), de Campo Verde (136 KM de Cuiabá).

O Pleno do TRE/MT acatou o voto do juiz-membro substituto Abel Sguarezi, relator da ação declaratória de justa causa para desfiliação partidária, ingressada no órgão por “Sargento Sampaio”, em sessão de julgamento ocorrida no último dia 7 de junho.

Com a decisão, o vereador, que se elegeu em 2020 pelo PSL – partido que abrigava o presidente Jair Bolsonaro (PL) em 2018, quando conquistou nas urnas o mandato presidencial -, pode deixar a agremiação sem perder seu cargo na Câmara de Campo Verde.

Em seu voto, o juiz substituto Abel Sguarezi reconheceu que a fusão do PSL com o DEM, que resultou no União Brasil, pode “afetar diretamente as posições ideológicas defendidas anteriormente pelo requerente na antiga agremiação, que não mais existe”. A criação da nova sigla foi aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em fevereiro de 2022

“E vou mais além, toda essa mudança pode ainda inviabilizar a defesa das posições políticas anteriormente conduzidas pelo partido extinto junto ao eleitorado que lhe confiou o mandato”, completou o relator.

Leia Também:  TJ proíbe pagamento de negócio no "fio do bigode" de ex-prefeito

Entre as diferenças do programa partidário que possuía o PSL, que não estão presente no União Brasil, estão o “combate aos privilégios decorrentes de ‘quotas’, que o estado deve “se afastar ao máximo da condição de ‘Grande Pai’ deixando de cuidar de todo mundo”, a “redução do tamanho do Estado”, além de outras “filosofias”.

O “Sargento Sampaio” é um dos três vereadores de Campo Verde, ao lado de Miguel de Paula (DC) e Juscelino Neves (PSB), que sofreram uma investigação do Ministério Público de Contas (MPC), em julho de 2021, pela suspeita de realizarem uma viagem particular de carro a Brasília (DF), utilizando não só recursos públicos da prefeitura para combustível e diárias, mas também um motorista.

Fonte: Folha Max

POLICIA

POLÍTICA MT

PICANTES

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA